Sobre a fala de Nise Yamaguchi na CPI

Durante a fala da Dra. Nise Yamaguchi para a CPI covid, ela disse que não teria se vacinado por ter raynaud. Que segundo ela, por ser autoimune a impedia de receber a vacina.

Neste vídeo respondo que isso esta incorreto!

Pessoas com doenças autoimunes podem se vacinar. Inclusive devem ser consideradas como grupo prioritário caso usem imunossupressores ou estejam com doença ativa.

Sobre o raynaud, outra informação incorreta!

Raynaud não é uma vasculite. É na verdade um fenômeno de vasoespasmo em que o vaso diminui de calibre transitoriamente por fatores como frio, estresse, uso de aparelhos que vibram. Doenças autoimunes e vasculites podem provocar raynaud, mas a maioria das pessoas tem só o raynaud mesmo, sem doença associada.

Pra quem não me conhece. Me chamo Thales Azevedo Sou reumatologista (especialidade que trata raynaud) Tenho título de especialista em reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia Sou preceptor do ambulatório de raynaud e esclerose sistêmica da Santa Casa de BH.

Links:

Recomendações da Sociedade Brasileira de reumatologia – http://www.reumatologia.org.br/downloads/pdf/SBR-For%C3%A7a-Tarefa-Vacinas-COVID-19.pdf

Recomendações do Colégio americano de reumatologia – https://www.rheumatology.org/Portals/0/Files/COVID-19-Vaccine-Clinical-Guidance-Rheumatic-Diseases-Summary.pdf

Recomendações da Liga Europeia contra o reumatismo – https://ard.bmj.com/content/annrheumdis/80/4/411.full.pdf

Visite o instagram:

Quem tem doença autoimune produz menos anticorpos contra a vacina

Essa é uma das dúvidas dos pacientes com doenças autoimunes antes da vacinação. A resposta anterior é que não tínhamos como ter certeza disso. Agora temos um estudo que abordou exatamente isso. O COVARIPAD.

No entanto, alguns pontos são relevantes:

  1. O estudo ainda não foi publicado, é um pré-print
  2. O estudo é pequeno e por isso tem pouca confiabilidade
  3. Menos anticorpos não necessariamente significa menor proteção
  4. E se produzir menos anticorpos? Vai mudar alguma coisa?

No vídeo abaixo eu respondo essas dúvidas. Não esqueça de compartilhar e deixar seus comentários.

Visite também o INSTAGRAM:

VEJA OS POSTS ANTERIORES:

O que é uma doença autoimune?

O que é uma doença autoimune?

Doenças autoimunes formam um grupo de doenças caraterizados pela perda da tolerância do sistema imune aos nossos próprios tecidos e células. Desta forma, o sistema imune que deveria nos defender destruindo microorganismos invasores, passa a atacar nossos órgãos provocando inflamação.

Sobre a fala de Nise Yamaguchi na CPI

Sobre a fala da Dra. Nise Yamaguchi. Que afirmou não ter se vacinado pois o fato de ter doença autoimune seria impeditivo. Nesse vídeo explico porque está incorreta essa informação!

6 sintomas de doenças autoimunes

Doenças autoimunes podem começar de formas muito semelhantes, neste vídeo falo sobre os seis sinais mais frequentes vistos em pacientes com doenças autoimunes.

Quem apresenta estes sintomas não necessariamente tem alguma dessas doenças. Afinal, estes sintomas também podem aparecer em outros doenças. Fique ligado e compartilhe para ajudar mais pessoas.

Carregando…

Ocorreu um erro. Atualize a página e/ou tente novamente.

Dor lombar inflamatória

A dor lombar inflamatória é uma condição crônica caracterizada por início insidioso com idade inferior a 40 anos, persistindo por três meses ou mais, associado à rigidez matinal e melhorando com o exercício. Está fortemente associado às espondiloartropatias que envolvem o esqueleto axial. Como condição crônica para dor nas costas, compartilha semelhanças com o tratamento com dor nas costas mecânica; no entanto, a identificação do perfil característico dos sintomas de dor lombar inflamatória deve levar a uma avaliação mais aprofundada do HLA-B27 e da imagem, principalmente por ressonância magnética feitas pelo reumatologista.

Pacientes com dor lombar inflamatória, isoladamente ou associados a uma espondiloartropatia diagnosticada, demonstraram alívio sintomático com a terapia com AINEs. Também foi demonstrado que a fisioterapia melhora os sintomas da dor inflamatória, e isso deve fazer parte de uma abordagem multissistêmica ao tratamento.

Embora a dor lombar inflamatória possa ocorrer independentemente de uma espondiloartropatia diagnosticada, ela pode servir como um sentinela para identificar condições associadas, como espondilite anquilosante, artrite psoriática, doença inflamatória intestinal ou artrite reativa, criando uma ponte para concluir a terapia no tratamento de uma doença subjacente. Consulta apropriada, educação do paciente pelo prestador de cuidados primários e enfermeiro, farmacoterapia e fisioterapia podem melhorar significativamente os resultados e a qualidade de vida dos pacientes

Posts anteriores

ESPONDILITE ANQUILOSANTE

O que é a espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante é uma artrite inflamatória que afeta a coluna e grandes articulações como quadris. Embora não exista cura para a doença, o tratamento precoce e adequado consegue tratar a inflamação e a dor causada pela doença. Impedindo a progressão da doença, para manter a mobilidade das articulações acometidas e manter uma postura ereta. 

Qual é a causa?

A causa é desconhecida. No entanto sabemos que há uma interação entre fatores genéticos e ambientais no surgimento da doença. Pessoas que herdam um determinado grupo sanguíneo dos glóbulos brancos, quando comparadas com aquelas que não possuem esse marcador genético, denominado HLA-B27 apresentam risco superior de desenvolver a doença. Cerca de 90% dos pacientes brancos com espondilite anquilosante são HLA-B27 positivos. A teoria mais aceita é a de que a doença possa ser desencadeada por uma infecção intestinal naquelas pessoas geneticamente predispostas a desenvolvê-las, ou seja, portadoras do HLA-B27. Outros genes no entanto, estão implicados no surgimento da espondilite. A espondilite anquilosante não é transmitida por contágio ou por transfusão sanguínea.

Qual a prevalência da espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante tende a ocorrer em famílias, afeta três vezes mais os homens do que as mulheres e surge normalmente entre os 20 e 40 anos. Cerca de 20% dos indivíduos com HLA-B27 terão espondilite anquilosante, embora a maioria nunca será diagnosticada como tendo a doença, pois ela se apresentará de forma branda. Como o HLA-B27 está presente em 7% a 10% da população, pouco mais de um em cem indivíduos apresentará a doença.

A doença pode ser passada para meus filhos?

Os riscos de os filhos de pacientes com espondilite anquilosante apresentarem a doença são muito reduzidos, não mais de 15%, comparados às chances de 85% de gerar crianças saudáveis normais. Mesmo entre os 15% que sofram da doença, provavelmente apenas um apresentará uma condição severa o suficiente para interferir em sua vida normal. Pais com Espondilite Anquilosante às vezes perguntam se seus filhos devem fazer exames para verificar se possuem o HLA-B27. No momento, a resposta é que isso não deve ser feito, pois não há como saber qual criança com esse grupo sanguíneo apresentará a doença. Se algum dia for possível prevenir a doença, então será importante descobrir quais crianças possuem o grupo HLA-B27, para que possam ser protegidas.

Quais são os sintomas da espondilite anquilosante?

Dores na coluna que surgem de modo lento ou insidioso durante algumas semanas, associadas à rigidez matinal da coluna, que diminui de intensidade durante o dia. A dor persiste por mais de três meses, melhora com exercício e piora com repouso. No início, a espondilite anquilosante costuma causar dor nas nádegas, possivelmente se espalhando pela parte de trás das coxas e pela parte inferior da coluna. Um lado é geralmente mais doloroso do que o outro. Essa dor tem origem nas articulações sacroilíacas (entre o sacro e a pélvis). Alguns pacientes sentem-se globalmente doentes –sentem-se cansados, perdem apetite e peso e podem ter anemia. A inflamação das articulações entre as costelas e a coluna vertebral pode causar dor no peito, que piora com a respiração profunda, sentida ao redor das costelas, podendo ocorrer diminuição da expansibilidade do tórax durante a respiração profunda. Os indivíduos que apresentam limitação significativa da expansibilidade do tórax não devem de forma alguma fumar, pois seus pulmões, que já não expandem normalmente, estariam ainda mais susceptíveis a infecções.

Quais são os órgãos e tecidos afetados pela doença?

1. Articulações da coluna vertebral: inflamação das articulações da coluna que causa dores e rigidez matinal. A doença começa nas juntas entre o sacro e a pélvis, denominadas juntas sacroilíacas. Outras articulações: inflamação das articulações dos quadris, ombros, joelhos e tornozelos são as partes afetadas com maior frequência. O efeito nessas juntas é similar àquele na coluna. Pode haver um período de dor na junta, talvez até com a ocorrência de algum inchaço, porém o tratamento alivia os sintomas.

2. Ossos: Algumas vezes, ocorrem locais sensíveis ou dolorosos em ossos que não fazem parte da coluna, como o osso do calcanhar, tornando-se desconfortável ficar em pé em chão duro, e o osso ísquio da bacia, tornando as cadeiras duras muito desagradáveis.

3. Olhos: uveíte ou irite – inflamação da região colorida do olho (íris) ocorre em um a cada sete pacientes. Os pacientes apresentam olhos avermelhados e doloridos, o que deve ser reportado ao médico o mais rapidamente possível, pois pode ocorrer um dano permanente. Se não houver um médico à disposição, deve-se ir diretamente para um hospital que possua um pronto-socorro ou um departamento de oftalmologia.

4. Coração, pulmão e sistema nervoso central: são complicações raras, afetando menos de um entre cem pacientes. A inflamação pode afetar as válvulas do coração, as articulações ou os discos entre as vértebras, podendo assim comprimir um nervo ou a medula óssea, causando dormências, fraqueza muscular ou dores. O pulmão raramente é diretamente afetado por uma fibrose na sua parte superior. O pulmão pode ser indiretamente comprometido pela diminuição da expansibilidade da caixa torácica causada pela espondilite anquilosante. Portanto, o paciente espondilítico nunca deverá fumar.

5. Pele: psoríase, uma condição inflamatória comum da pele, caracterizada por episódios frequentes de vermelhidão, coceira e presença de escamas prateadas, secas e espessas, pode estar associada à espondilite anquilosante em alguns pacientes.

8. Intestino: a colite, ou inflamação do intestino, pode estar associada à espondilite anquilosante em alguns pacientes.

Como diagnosticar a espondilite anquilosante?

O diagnóstico da doença é baseado no conjunto de sintomas (dor nas nádegas e dor nas costas) e nos exames de imagem (raios-x, tomografia computadorizada ou ressonância magnética) da bacia, da coluna e das juntas afetadas. O médico faz um histórico e examina as costas (procurando por espasmos musculares, com atenção para a postura e mobilidade) e examinará as outras partes do corpo, procurando pelas evidências da espondilite anquilosante. o diagnóstico da espondilite anquilosante é confirmado pelos exames de imagem acima citados. As alterações características estão nas juntas sacroilíacas, mas podem levar alguns anos para desenvolver-se, podendo não ser notadas na primeira consulta. O médico, provavelmente, o avaliará com relação à anemia e aos testes da velocidade de sedimentação das hemácias (VHS) e proteína C Reativa (PCR), que informam quão ativa a doença está.

Como distinguir a espondilite anquilosante de outros problemas de coluna?

Dor na coluna é uma das queixas mais comuns nos consultórios médicos. Embora a grande maioria dos pacientes com dor na coluna não tenha espondilite anquilosante, o médico deve reconhecer as diferentes causas em cada paciente. As causas mais frequentes de dor na coluna são distensões ou entorses, que podem ocorrer em qualquer idade. Uma hérnia de disco é outro exemplo de causa de dor na coluna. Em pacientes idosos, problemas degenerativos como a osteoartrite, comumente afetam a coluna. Quando você procura um médico por dor na coluna, ele deve reconhecer se você tem artrite inflamatória e que se trata da espondilite anquilosante, ou se é uma das frequentes causas mecânicas. O tratamento é diferente. O diagnóstico é feito ao ouvir seus sintomas e examiná-lo. O médico pode solicitar alguns exames de sangue e radiografias da sua bacia e coluna.

É possível fazer um diagnóstico precoce?

Muitos pacientes têm comentado que sua espondilite anquilosante só foi diagnosticada vários meses ou anos após o início dos seus primeiros sintomas. Não há nenhum teste diagnóstico que o médico possa solicitar no início da dor na coluna, porém os sintomas do paciente, que são diferentes das dores de coluna comuns, devem alertar o médico para o diagnóstico da espondilite anquilosante. A presença ou positividade do grupo sanguíneo HLA-B27 certamente não fará o diagnóstico, embora possa ajudar em determinados pacientes, visto que cerca de 90% dos pacientes com espondilite anquilosante são HLA-B27 positivos. Embora seja no momento um exame caro e de difícil acesso, pode ser útil em determinadas situações de dúvida, ao alertar o médico para a possibilidade de o seu paciente ser portador de espondilite anquilosante. Atualmente se considera que os exames de imagem (radiografia, mapeamento, tomografia e ressonância magnética), são aqueles que poderiam mais precocemente, detectar a inflamação das articulações sacroilíacas, que normalmente ocorre na fase inicial da espondilite anquilosante.

Como a doença pode progredir?

A espondilite anquilosante toma diferentes rumos em pessoas diferentes, sendo que dois casos nunca são exatamente iguais. Com o passar do tempo, após a fase ativa em que as juntas estão inflamadas, a doença torna-se bem menos ativa ou mesmo totalmente inativa. Os sintomas podem surgir e desaparecer durante longos períodos. Os ossos das vértebras da coluna crescem, formando pontes entre as vértebras, às vezes envolvendo completamente as juntas, impedindo assim que ela se mova, causando a rigidez denominada anquilose. A coluna lombar geralmente se torna rígida, bem como a região posterior superior do pescoço. É por esta razão que é muito importante que se mantenha uma boa postura. Algumas pessoas podem ter apenas uma série de leves dores e desconfortos, durante vários meses. Isso parece ser mais comum nas mulheres com espondilite aquilosante. Nesse estágio, a doença pode tanto desaparecer, como pode prosseguir causando rigidez na coluna dorsal ou mesmo no pescoço.

A espondilite anquilosante pode prejudicar a vida profissional do paciente?

A experiência indica que pacientes com espondilite anquilosante são capazes de executar muitos tipos de trabalho, sejam intelectuais, semiqualificados ou braçais, embora os trabalhos intelectuais sejam os de maior adaptação. Existem exemplos de pacientes executando funções fisicamente estressantes, incluindo-se carpinteiros e operários de construção. Um emprego que exija que o paciente alterne entre sentar-se, andar e permanecer em pé é ideal. O trabalho mais inadequado é aquele em que ele precisa se encurvar ou agachar sob uma bancada por horas seguidas. Há pacientes com sucesso em carreiras profissionais de destaque. Com exceção de alguns casos especiais, a espondilite anquilosante não deve trazer dificuldades na obtenção de seguros de vida ou financiamentos para aquisição de imóveis.

A doença interfere na atividade sexual?

Geralmente, a espondilite anquilosante não interfere na atividade sexual, a não ser que o quadril seja afetado, caso em que a moderna operação denominada artroplastia do quadril, se faz consideravelmente útil na liberação dos movimentos.

Existem riscos na gravidez de mulheres com espondilite?

A gravidez em mulheres com espondilite anquilosante não traz danos para a mãe ou o bebê, mas, diferentemente de outras formas de reumatismo, a espondilite anquilosante não melhora durante este período. Os bebês geralmente nascem da forma normal, mas, eventualmente, é necessária uma cesariana caso as juntas do quadril tornem-se muito rígidas.

Como é o tratamento da espondilite anquilosante?

Não há cura para a espondilite anquilosante e, embora a doença tenda a ser menos ativa conforme a idade avança, o paciente deve estar consciente de que o tratamento deve durar para sempre. O tratamento objetiva o alívio dos sintomas e a melhora da mobilidade da coluna onde estiver diminuída, permitindo ao paciente ter uma vida social e profissional normal. O tratamento engloba uso de medicamentos, fiioterapia, correção postural e exercícios, que devem ser adaptados a cada paciente.

Como é o tratamento medicamentoso convencional?

Utilizam-se analgésicos para aliviar a dor. Existem várias substâncias capazes de reduzir ou eliminar a dor, que permitem ao paciente uma boa noite de sono e seguir um programa de exercícios. Alguns dos medicamentos mais novos são criados para serem efetivos durante a noite e durante a primeira parte do dia. Os remédios podem ser sintomáticos como os analgésicos e os relaxantes musculares, ou então modificadores da evolução da doença, como a sulfassalazina e o metotrexato. Como existem estudos indicando que o uso contínuo de anti-inflamatórios não-hormonais pode reduzir a progressão radiológica da espondilite anquilosante, estes medicamentos também são considerados modificadores de doença. Passada a fase aguda da doença, a maioria dos pacientes não necessita de remédios, uma vez que façam parte de um programa regular de exercícios. Os remédios são necessários esporadicamente, apenas quando os sintomas reaparecem apesar da terapia de exercícios. Para outros pacientes, pode ser necessário um tratamento contínuo com doses reduzidas (manutenção) de medicamentos.

E o que são as recentes terapias biológicas?

Terapias biológicas representam um significativo avanço no tratamento dos portadores de espondilite anquilosante, que não responderam ao tratamento convencional. A terapia biológica consiste em injeções subcutâneas ou intravenosas de medicações que combatem a dor, inflamação e as alterações da imunidade nas doenças acima mencionadas. Consiste de medicações à base de anticorpos monoclonais, proteínas de fusão celular, anti-interleucinas e bloqueadores da coestimulação do linfócito T, que se comportam como verdadeiros mísseis teleguiados que inativam, com precisão e segurança, determinados alvos constituídos por células, citocinas e mediadores imunes presentes de forma anormal na circulação dos portadores de espondilite anquilosante.

Fonte: Adaptado de cartilha da sociedade brasileira de reumatologia