O que é uma doença autoimune?

Live – o que é uma doença autoimune

Muito se pergunta sobre o que é uma doença autoimune. Na live acima eu expliquei o que é uma doença autoimune e como ela aparece. Você pode ver o vídeo ou ler o texto abaixo.

Doenças autoimunes é um grupo de doenças caraterizados pela perda da tolerância do sistema imune aos nossos próprios tecidos e células. Desta forma, o sistema imune que deveria nos defender destruindo microorganismos invasores, passa a atacar nossos órgãos provocando inflamação.

Para que uma doença autoimune se forme é preciso três fatores fundamentais:

  1. Carga genética compatível – lembrando que não é um gene para cada doença, na verdade são grandes grupos de genes que participam de uma ou mais doenças cada.
  2. Contato com fator ambiental – fatores ambientais como estresse, infecções, outras doenças e cirurgias são agentes que irão iniciar o processo imune naqueles que tem uma carga genética compatível
  3. Desregulação imune – naqueles com carga genética e que tiveram contato com algum fator ambiental acontece desregulação do sistema imune que irá provocar o processo inflamatório da doença

Algumas questões importantes:

  1. Genética é diferente de hereditariedade. O fato de você ter os genes para a doença não significa que seus pais deveriam ter a doença. Você pode ter herdado parte dos genes de cada um de seus pais, eles não tem a doença, mas você sim. Além disso você pode ter os genes simplesmente ao acaso, ou seja, seus pais não tem os genes da doença.
  2. É preciso que todos os três fatores aconteça para que a doença se desenvolva. Existem pessoas que tem os genes das doenças mas nunca a desenvolvem por nunca entrar em contato com algum fator ambiental que a iniciaria

Como mencionado. Não temos um gene para cada doença. Na verdade diversos genes participam em diversos tipos de doença e é por isso que em muitos casos os pacientes tem mais de uma doença autoimune. Para que um individuo tenha uma doença autoimune é necessário ter um grupo de genes que irão participar da doença.

Para aqueles que tem essas doenças ainda será necessário contato com algum fator ambiental que irá iniciar o processo da doença. Esse fator ambiental pode ser trauma, infeccções, cirurgias, outras doenças, estresse crônico, e até medicamentos.

Uma vez que esse contato acontece é necessário que ele seja suficiente para deflagrar uma resposta autoimune. Em que ocorre desregulação do sistema imune o fazendo perder sua capacidade de reconhecer nossas células nossas próprias. Dessa forma o sistema imune irá produzir auto-anticorpos contra nossos tecidos e orgãos que provocarão os sintomas das doenças autoimunes.

Espero que tenha gostado deste texto e se tiver alguma dúvida deixe nos comentários.

Sobre a fala de Nise Yamaguchi na CPI

Durante a fala da Dra. Nise Yamaguchi para a CPI covid, ela disse que não teria se vacinado por ter raynaud. Que segundo ela, por ser autoimune a impedia de receber a vacina.

Neste vídeo respondo que isso esta incorreto!

Pessoas com doenças autoimunes podem se vacinar. Inclusive devem ser consideradas como grupo prioritário caso usem imunossupressores ou estejam com doença ativa.

Sobre o raynaud, outra informação incorreta!

Raynaud não é uma vasculite. É na verdade um fenômeno de vasoespasmo em que o vaso diminui de calibre transitoriamente por fatores como frio, estresse, uso de aparelhos que vibram. Doenças autoimunes e vasculites podem provocar raynaud, mas a maioria das pessoas tem só o raynaud mesmo, sem doença associada.

Pra quem não me conhece. Me chamo Thales Azevedo Sou reumatologista (especialidade que trata raynaud) Tenho título de especialista em reumatologia pela Sociedade Brasileira de Reumatologia Sou preceptor do ambulatório de raynaud e esclerose sistêmica da Santa Casa de BH.

Links:

Recomendações da Sociedade Brasileira de reumatologia – http://www.reumatologia.org.br/downloads/pdf/SBR-For%C3%A7a-Tarefa-Vacinas-COVID-19.pdf

Recomendações do Colégio americano de reumatologia – https://www.rheumatology.org/Portals/0/Files/COVID-19-Vaccine-Clinical-Guidance-Rheumatic-Diseases-Summary.pdf

Recomendações da Liga Europeia contra o reumatismo – https://ard.bmj.com/content/annrheumdis/80/4/411.full.pdf

Visite o instagram:

6 sintomas de doenças autoimunes

Doenças autoimunes podem começar de formas muito semelhantes, neste vídeo falo sobre os seis sinais mais frequentes vistos em pacientes com doenças autoimunes.


Quem apresenta estes sintomas não necessariamente tem alguma dessas doenças. Afinal, estes sintomas também podem aparecer em outros doenças. Fique ligado e compartilhe para ajudar mais pessoas.

Veja o vídeo no youtube e compartilhe para ajudar mais pessoas:

Maternida e o paciente autoimune parte 3

O período após o parto

Olá, sejam bem vindos. Chegamos à terceira e última parte da série sobre maternidade e pacientes autoimunes. Nesta iremos responder as principais dúvidas que podem surgir no período após o parto, conhecido como puerpério. Você pode ver o vídeo no youtube ou ler as respostas logo em sequência. Até mais.

  1. Os medicamentos passam para o leite materno?

Em alguns casos sim. Por isso é importante saber com seu médico se no seu caso é possível amamentar. Medicamentos como opióides por exemplo passam muito, por outro lado medicamentos biológicos anti-tnf passam muito pouco.

  1. Minha doença pode reativar no puerpério?

Infelizmente pode, especialmente para aquelas mães que já não apresentavam um bom controle de doença antes de iniciar a gestação.

  1. Depois do nascimento, o que devo observar em meu filho?

Em mulheres que apresentam o anticorpo anti-ro é importante observar o surgimento de lesões de pele características do lúpus neonatal. É importante destacar que na imensa maioria dos bebês essas lesões irão desaparecer completamente após um período curto de tempo.

  1. A minipílula pode piorar minha doença autoimune?

É pouco provável que isso aconteça. A minipílula, composta apenas por progesterona, é o método mais escolhido durante a amamentação. Esse hormônio provoca pouca influência na doença.

  1. A doença pode fazer meu corpo demorar mais tempo a voltar ao normal?

Isso geralmente não ocorre. O seu corpo vai seguir o ritmo normal de um puerpério.

  1. Amamentar pode fazer minha doença reativar?

Isso felizmente não acontece, você pode amamentar normalmente. O que pode acontecer em algumas doenças e o aumento das dores devido a posicionamento, mas isso pode ser melhorado com postura adequada.

Espero que tenham gostado. Essa foi a parte 3 da série de maternidade, se você quiser saber sobre o período antes e durante a gestação veja o vídeo 1 e 2. E ajudem a disseminar esse conhecimento compartilhando. Abraços.

Maternidade e autoimunidade parte 2

Seguindo os posts sobre maternidade e autoimunidade. Nesta segunda parte as principais dúvidas para mulheres já grávidas são respondidas. Lembrando que está é uma série em três partes, confira os outros posts. Vocês podem ver o vídeo do youtube abaixo ou ler o texto em sequência.

  1. Descobri que estou grávida, o que devo fazer?

Neste caso procure assim que possível o médico responsável por seu tratamento, não tome atitudes drásticas retirando os remédios sem orientação.

  1. Existe chance da minha doença autoimune atacar o bebê?

Isso não acontece. O que pode acontecer, no entanto, é a passagem transplacentária de um autoanticorpo chamado anti-ro. Este auto-anticorpo, que pode estar presente em mulheres com lúpus ou síndrome de Sjögren e pode provocar o lúpus neonatal, que pode cursar com lesões de pele ao nascer e bloqueio cardiofetal ainda na gestação. Estas pacientes devem ser acompanhadas de perto com ecocardiograma fetal.

  1. Minha doença autoimune surgiu durante a gestação, é normal?

Infelizmente isso pode acontecer. A gestação é um período de intensas mudanças hormonais. E esses hormônios podem ajudar a efetuar uma doença autoimune que você já estava predisposta a ter.

  1. Qual é a melhor via de parto?

A via de parto geralmente não é determinada pela doença autoimune e sim por características da mãe e do bebê. Uma atenção especial precisa ser oferecida a mão com as espondiloartrites, um grupo de doenças que afeta a sacroilíaca, uma articulação que muda muito durante o parto e gestação.

  1. Tenho risco de abortar?

Existe uma doença chamada síndrome do anticorpo antifosfolípide que aumenta o risco de abortos. Essa doença, apesar de não ser autoimune, pode vir junto de outras doenças autoimunes. Por isso geralmente fazemos exames para descobrir se a mãe tem essa condição nos períodos iniciais da gestação.

  1. Minha doença reativou, o que devo fazer?

Busque ajuda do seu médico imediatamente. Pode ser necessário iniciar medicamentos que ajudem a controlar a doença.

Espero que tenham gostado e compartilhem para ajudar a divulgar a informação. Até mais!

A vacina de COVID para pacientes autoimunes

Olá pessoal, sejam bem vindos, como todos sabem a vacina para COVID-19 está chegando e por isso escrevi este texto respondendo as principais questões relacionadas as vacinas pensando no paciente autoimune. Você pode ver a versão em vídeo no youtube ou nas redes sociais. O texto vem logo abaixo.

1) Eu vou poder tomar a vacina?

Vai sim. Desde que seja uma vacina inativa. Até então as principais vacinas produzidas a da Pfizer, de Oxford e a coronavac não tem vírus vivo em sua composição, portanto o risco de ativação da doença provocada pela vacina não existe. No entanto, algumas vacinas estão usando uma tecnologia nova chamada mRNA e os pacientes com doenças autoimunes não tem o perfil de segurança testado. Essa tecnologia está sendo usada pela Pfizer e pela Moderna.

2) Quem tem doença autoimune será grupo prioritário?

A princípio não, o plano nacional de vacinação para COVID não colocou pessoas com doença autoimune em grupo prioritário. E as principais sociedades médicas concordam que até o momento pessoas autoimunes não tem risco elevado para COVID. No Brasil o ministério da saúde, a sociedade brasileira de infectologia e a sociedade brasileira de reumatologia já fizeram pareceres sobre este assunto. E análise de diversos banco de dados estrangeiros também não identificaram maior incidência de covid entre estes pacientes. No entanto, esta recomendação considera pacientes que estão com doença inativa e em uso de imunossupressor leve ou sem imunossupressão. Pacientes em uso de prednisona > 10 mg por dia e/ou recebendo pulsoterapia com corticoide ou ciclofosfamida deveriam ser considerados grupo de risco.

3) O que eu já posso fazer para vacinar?

Primeiro marque uma consulta com seu reumatologista. Ele irá analisar o momento em que você está em relação à sua doença, ver os medicamentos que você usa e identificar se você se encaixa em algum grupo prioritário para te orientar melhor

4) Depois de vacinar eu posso voltar à minha vida como antes da pandemia?

Não, as mesmas recomendações de proteção individual, como uso de máscaras, distanciamento social e lavar as mãos com frequência deverão continuar.

5) Eu devo suspender meus medicamentos antes de vacina?

Não, você deve manter seus medicamentos do mesmo jeito. Mas você deveria consultar seu reumatologista antes de vacinar

6) Eu já tive COVID devo vacinar assim mesmo?

Até o momento não tem uma contra-indicação formal contra vacinar quem já teve o COVID. O que podemos dizer é que não sabemos quanto tempo dura a imunidade adquirida após a contaminação pelo vírus. A sociedade europeia de reumatologia considera que quem já teve COVID pode vacinar e que existe a possibilidade de proteção adicional após a vacina.

7) A minha doença pode reativar por causa da vacina?

Até o momento não temos como responder essa pergunta. Os pacientes com doenças autoimunes ou um uso de medicamentos imunossupressores não foram incluídos nos estudos das vacinas. Portanto não temos como saber isso com certeza.

8) Existe o risco da vacina não funcionar direito devido ao uso dos medicamentos imunossupressores?

Sim, existe esse risco. Infelizmente ainda não sabemos qual será a resposta imune de pessoas que tem doenças autoimunes e fazem uso de imunossupressão.

Espero que tenham gostado das informações. Envie para outros colegas e divulgem nas redes sociais.

Até mais.